Preferência por produtos orgânicos e veganos invade mercado da beleza

0
625

Cosméticos naturais fazem parte de uma área da indústria de saúde e bem-estar que experimentou um crescimento especialmente exponencial, à medida que mais pessoas estão aprendendo sobre os perigos e riscos de substâncias químicas tóxicas em produtos não orgânicos.

Juntamente com uma maior consciência de saúde e bem-estar, surgiu uma preocupação crescente com o meio ambiente entre os consumidores. Em maio do ano passado, uma pesquisa do Ibope constatou que 14% dos brasileiros, o equivalente a 30 milhões de pessoas, são vegetarianos ou veganos. Ou seja, parte desse público não consome produtos que contenham substância animal.

Outra pesquisa, realizada pelo portal especializado Use Orgânico, concluiu que 64% dos entrevistados acreditam que produtos orgânicos são melhores que os convencionais. Até mesmo as pessoas que nunca usaram artigos do gênero afirmaram possuir tal percepção.

O boom da cosmética natural já faz muito tempo. Empreendedores começaram a fazer cosméticos a partir de plantas, em vez de produtos químicos, desde os anos 50. Em 1954, Jacques Courtin-Clarins, um jovem estudante de Medicina, observou que quando os pacientes eram tratados de problemas circulatórios com massagem, a pele deles parecia melhor. Então, iniciou um pequeno negócio de fabricação de óleos vegetais.

Mas por que só agora a beleza natural está crescendo? Em parte, porque estamos mais conscientes da necessidade de sustentabilidade ambiental. Há um reconhecimento de que não podemos deixar inteiramente para os governos a missão de salvar o planeta. Mas construir o mercado tem sido difícil. Sustentabilidade não sai barato. Ingredientes naturais são normalmente mais caros de comprar e processar do que os sintéticos. E suas virtudes também não são fáceis de explicar. Os consumidores continuam confusos sobre quais marcas são realmente “verdes”.

Enquanto os alimentos orgânicos são altamente regulamentados em muitos países, os produtos de beleza não são. A maioria dos produtos rotulados como “naturais” contém algumas fragrâncias sintéticas ou subprodutos do petróleo. Os conservantes à base de plantas têm propriedades antimicrobianas e antifúngicas deficientes. Este é um grande problema, pois os conservantes são essenciais para evitar que fungos e bactérias cresçam em produtos que contenham água.

Não é nem mesmo claro que ser natural é verdadeiramente ser amigo do meio ambiente. A quantidade de plantas necessárias para produzir pequenas quantidades de certos ingredientes para cosméticos significaria que grandes áreas do planeta precisariam ser cultivadas.

Por isso, mais precisa ser feito para obter clareza sobre o que realmente constitui um produto orgânico ou natural. Os vários órgãos que agora certificam esses produtos precisam alinhar suas definições. À medida que os consumidores se tornam mais conhecedores, eles também são mais exigentes, querendo não apenas ingredientes naturais, mas também embalagens ecológicas. Enquanto isso, à medida que as grandes empresas lutam para cultivar suas próprias marcas naturais, pequenos empreendedores de sucesso que construíram marcas verdes podem esperar receber uma boa recompensa quando decidirem vender.

Você conhece algum produto sustentável ou profissional que trabalhe na área para indicar? Comente e deixe sua recomendação!

FONTES:
Aumento de produtos orgânicos invade mercado da beleza
Beleza: a evolução do mercado de cosméticos naturais e orgânicos
Cosméticos Naturais, Beleza Saudável
Produtos veganos e orgânicos: benefícios para as pessoas, animais e planeta